• Facebook
  • YouTube
  • Instagram
Ouça Aldeia Tabaçu

EXPOSIÇÃO CULTURA INDÍGENA TUPI-GUARANI NHANDEREKO

     Nhandereko nhanhimbo’e é o nosso modo de viver que nos ensina, pois, é onde encontramos em nosso cotidiano as riquezas que nos trazem os ensinamentos de todas as coisas. Desde o cantar de um pássaro Sagrado que nos avisa mudanças climáticas, até mesmo outros pássaros guardiões que preparam nosso espírito para suportar a dor da passagem de um ente querido.

     Ao observar a natureza que nos cerca aprendemos a decodificar, a partir da mudança de temperatura uma chuva que logo virá, bem como uma tempestade com ventos que se aproxima. Os animais, o céu, a terra, a água, o fogo e todos os outros elementos e seres viventes, se manifestam em harmonia uns cuidando dos outros. Nossa conexão com nosso território Sagrado é tão grande que, mesmo em sonhos, recebemos avisos e os mesmos são decifrados numa conversa matinal ao redor do fogão a lenha ou mesmo sentados em volta do Tatarutsu, nossos mais velhos ouvem todos com atenção ao mesmo tempo que nos ensina os caminhos sagrados para decifrar os sonhos.

     Todas essas vivências do aprender em comunidade traduzem o NHANDEREKÓ, onde os  valores e o respeito  mútuo entre crianças, jovens, adultos e anciões evidenciam nosso jeito de ser e de viver com equilíbrio e sabedoria. Isso se reflete no fortalecimento da identidade Indígena Tupi-guarani e garantirá a continuidade, bem como, o fortalecimento, as práticas e saberes cultivados há milhares de anos.

 

Fotos produzidas pelas próprias aldeias.

Áudios e textos de Itamirim (Aldeia Tabaçu Rekoypy) e Ubiratã (Aldeia Bananal)

ANCIÕES E ANCIÃS: NOSSAS BIBLIOTECAS VIVAS

Reconhecer a importância dos anciões é para nossa cultura tupi-guarani um ato de gratidão, pois, são eles nossos exemplos e inspirações.

Toda sabedoria e conhecimentos herdados, são compartilhados com sabedoria pelos mais velhos para os jovens da aldeia esperando assim que as gerações futuras tenham caminhos de luz e fortalecimento da identidade Indígena. Considerados bibliotecas vivas os anciões oralmente ensinam os conhecimentos Sagrados que envolvem a espiritualidade do grupo, como também compartilha por meio de exemplos práticos todo o conhecimento científico que envolve a sobrevivência na floresta. 

Com sabedoria, carinho e respeito, nos formam seres completos, tendo clareza em buscar com equilíbrio o bem e o mal que habita em cada ser, nos preparando para ser livres como pássaros e o vento tanto no plano material, quanto no plano espiritual, onde teremos a morada eterna no Ywy Mara'eãy, como revela nossa profecia Sagrada da "busca da Terra sem Males", onde teremos a vida eterna junto de todos os nossos entes queridos que já fizeram a tão esperada jornada para o mundo espiritual.

Ouça Anciões e Anciãs

ALDEIA  BANANAL

Aldeia Pakowaty - Bananal foi reconhecida em 1927 apesar do seu histórico de mais de 200 anos de existência.

Compreende uma área de 480 hectares em meio a Mata Atlântica. O nome do território leva o nome da cidade: Terra Indígena Peruíbe.

Atualmente vivem na Aldeia 10 famílias, no total de aproximadamente 45 pessoas.

Localizada a 25 km do centro de Peruíbe, a Aldeia tem sua principal preocupação a interação com o meio ambiente natural, onde a Fauna e Flora são partes integrantes desta comunidade, onde o respeito mútuo é soberano. Aé'weté katu.

Ouça Aldeia Bananal

ALDEIA TABAÇU REKOYPY

No ano de 2012 surge  a Tabaçu rekoypy - O Renascer da Grande Aldeia - localizada no município de Peruíbe dentro dos limites da Terra indígena Piaçaguera. Atualmente   vivem na aldeia 15 famílias, num total de 49 pessoas que compõe a comunidade.

A prática dos cânticos sagrados e a dança revitaliza o convívio coletivo, construindo assim, um ambiente místico em meio a Mãe Natureza.

Com solidariedade e respeito dois líderes se dedicam para manter um ambiente harmonioso de igualdade e solidariedade entre todos, onde, o turismo de base comunitária ajuda a manter a proposta do bem viver equilibrada entre a cultura não-indígena e a Tupi Guarani garantem seu projeto de sustentabilidade. Desta forma, fortalecem sua identidade étnica em meio a grande escola/floresta fazendo de suas práticas e aprendizados diários a essência fundamental para o seu Bem Viver.

ALDEIA MARAMBÁ

Após 16 anos de retomada da terra indígena Piaçaguera surgiu também a aldeia Marambá assim chamada devido sua localização especifica  ter acesso apenas pelo bairro chamado Marambá no município de Itanhaém  embora aldeia fica dentro dos limites da cidade de Peruibe, reconhecida internamente como Tekoa Djodjawi , atualmente vivem 9 famílias no qual suas praticas de manutenção da floresta e confecção de artesanato permanecem como ensinamento a todos os componentes da aldeia, o plantio é uma das praticas que fortalecem  os conhecimentos dos mais antigos e transmitida para os jovens trazendo todo fortalecimento tradicional de ligação com a natureza e a troca com meio em que vivem.

Ouça Aldeia Marambá

ALDEIA NHAMANDU

A aldeia Nhamandu Mirim foi formada pelo nhanderamõe Awá Dju Pitotó em 2008. Atualmente vivem na aldeia 15 famílias. No momento a comunidade não dispõe de cacique, a mesma é liderada por um conselho de líderes que, em consenso, respondem politicamente pela Aldeia. Possuem uma escola na aldeia que desenvolve juntamente com os alunos e comunidade, uma educação que fortaleça seus conhecimentos ancestrais, contemplando o pilar principal da educação diferenciada, que é a manutenção da cultura Indígena. Por conta da pandemia não estão recebendo visitantes, porém, estão organizando a comunidade para uma melhor recepção assim que tudo acabar. Aé'weté/ obrigado.

Ouça Aldeia Nhamandu

ALDEIA PIAÇAGUERA

A aldeia Piaçaguera foi fundada no ano 2000 e homologada 15 anos depois de sua ocupação, dando origem a 10 novos Aldeamentos dentro do mesmo Território que também leva o nome de Piaçaguera.

Atualmente vivem na aldeia 20 famílias

que são representadas por um conselho de líderes até que escolham um novo morubixaba/ cacique,  para liderar a comunidade.

 A aldeia fortalece seu cotidiano tendo a educação como base fundamental para promover a valorização da identidade indígena tupi guarani, além de, desenvolver vários projetos trazendo  sustentabilidade à sua comunidade.

Ouça Aldeia Piaçaguera

ALDEIA PURUNGAWA

Aldeia Purungawa Dju.

A aldeia purungawadju foi criada a mais de 4 anos dentro dos limites da terra indígena Piaçaguera.

A aldeia foi batizada com este nome em homenagem ao ancião Aroldo Porungawa Dju, pai do atual cacique, Arildo Awá Ruitxá.

O turismo é a ferramenta principal para o fortalecimento da comunidade que conta com uma população de 18 famílias. Por meio de trilhas ecológicas e vivências a aldeia segue se fortalecendo a cada dia.

Ouça Aldeia Purungawa

ALDEIA GWYRADJA

Dia  12 de março de 2019 foi fundada a aldeia Gwyradja, tendo como objetivo especifico de ter  uma autonomia familiar para desenvolver  seus projetos de plantio como forma de sobrevivência.

Atualmente vivem na aldeia 6 famílias, que são lideradas pelo Morubixa/cacique Ubirani  Awá Nimboeko. Fortalecem os laços familiares e juntos buscam sobreviver, aprendendo e cuidar da terra, para que ela possa lhes dar bons frutos.

Sonham em fortalecer a cada dia a vossa cultura ancestral e desta forma deixar um legado de resistência para as futuras gerações da aldeia.

Ouça Aldeia Gwyradja

ALDEIA  TANIGWA

A aldeia Tanigwa pertencente ao Território da Terra indígena Piaçaguera foi reconhecida como aldeia em 03 de setembro do ano de 2010. Antes de sua autonomia como organização, a aldeia era chamada de Fepasa, devido a linha ferroviária que corta o território sendo desativada algum tempo depois da retomada da Terra Indígena  Piaçaguera.

Atualmente vivem na aldeia Tanigwa 11 famílias, liderada por Idati lemos/Kunhã Taindju e Edna Lemos Kunhã marangatu.  Fortalecem as práticas de confecção de artesanato, buscando também resignficar os conhecimentos para o uso e saberes das ervas medicinais, visando assim a manutenção das plantas nativas do território.

Na comunidade existe uma escola que tem como principal objetivo valorizar e fortalecer as práticas e saberes indígenas, tendo o ambiente escolar como ferramenta importante para manutenção da cultura local, revitalizando e resgatando a cultura milenar do povo Indígena Tupi Guarani.

Ouça Aldeia Tanigwa

ALDEIA  TAPIREMA

A comunidade  da aldeia Tapirema  foi fundada em 2019. É composta atualmente por 9 famílias num total de 21 pessoas.
Liderada pelo Morubixa/ cacique Awá Tenondegwá, Vivem seu dia a dia entoando seus cânticos Sagrados , contando histórias e pitando petyngwá em volta da fogueira.
O projeto social ' Vivência na Aldeia', que tem como objetivo o ensino de práticas sustentáveis, com oficinas de Permacultura, bioconstrução, sempre aliado aos conhecimentos ancestrais da aldeia. Desta forma, fortalecem o respeito ao Território onde vivem de forma harmoniosa com toda a natureza que os cercam.

Ouça Aldeia Tapirema

ALDEIA  TENGWA  ETE

No dia 23 de Abril de 2015, foi fundada Nhande Tekoa, TENGWAETE, nosso objetivo foi ocupar a área, Terra Piaçaguera, já que a mesma possui uma imensa área de terra para ser ocupada. No início não tínhamos a intensão de formar uma organização, já que se tratava de poucas pessoas, sendo só a Família com 5 pessoas.
Mais após algum tempo fomos sentindo a necessidade de formarmos um grupo de líderes, para conquistar alguns direitos já que são garantidos por lei, como assistência a Saúde, Educação, e outros..
Hoje a aldeia já se encontra com 5 famílias. Sempre procuramos manter nossas tradições, como confecção e venda de artesanatos, cultivo de alimentos tradicionais de nossa cultura, cantos, e a Língua Materna o Tupi Guarani.
Somos uma comunidade familiar, procurando sempre o bem estar de nossa comunidade.
A'ewete
Por Claudia Agwe.

Ouça Aldeia Tengwa Ete
barra3.JPG