O ARQUITETO e o IMPERADOR DA ASSÍRIA de Fernando Arrabal

1989 a 1990

 

Direção

Roberto Rosa

 

Elenco

Sergio Audi

Kátia Cipris

 

 

1991 a 1992

 

Direção

Antônio Januzelli (Janô)

 

Preparação Corporal

Yolanda Amadei

 

Elenco

Roberto Rosa

Sergio Audi

 

 

1992

 

Direção 

Coletiva

 

Elenco

Roberto Rosa

Duda Miranda

 

 

1993 a 1994

 

Direção

Marcos Antunes Estival.

 

Preparação de Atores

Hélio Cícero

 

Elenco

Roberto Rosa

Sergio Audi

"O Arquiteto e o Imperador da Assíria" narra a história de um homem civilizado, único sobrevivente de um desastre de avião, que cai numa ilha habitada por outro único homem : um primitivo. O civilizado logo se denomina Imperador, e nomeia o primitivo de Arquiteto.

 

Para espantar o tédio dos dias iguais, os dois criam situações imaginárias , numa espécie de jogo onde são expostos seus desejos e seus medos, através de personagens criados e interpretados por eles mesmos. Através deste exercício metalinguístico, Fernando Arrabal realiza uma verdadeira autópsia do homem moderno, dissecando de maneira implacável seus ideais políticos e filosóficos.

 

A montagem de O ARQUITETO E O IMPERADOR DA ASSÍRIA de Fernando Arrabal se deu num momento em que a Cia. Fábrica mantinha sua sede no segundo andar do Cine São Geraldo no centro do bairro da Penha, São Paulo. O ano era 1989, ano de hiperinflação num país presidido por José Sarney. O foco da pesquisa estava voltado para a criação de espetáculos em espaços não-convencionais, em outras palavras...  fazíamos teatro para o pequeno público interessado em teatro de vanguarda. Mas o ARQUITETO mudou esta história.

 

Com a intenção de popularizar o nosso trabalho, o ARQUITETO foi montado em formato de arena e as apresentações realizadas em qualquer espaço disponível: escolas, sindicatos, praças, feiras e etc. Na ocasião, produzimos o que foi denominado de Circuito Popular de Teatro, organizado e administrado pelo próprio grupo, com mais de 450 apresentações em 05 anos.